Opresidente dos EUA, Donald Trump, voltou a citar o Brasil entre nações que enfrentam problemas no combate à pandemia de coronavírus. Nesta sexta-feira (5), durante entrevista coletiva, o líder republicano afirmou que o país comandado pelo aliado Jair Bolsonaro está em um “momento difícil”.

Ao citar a situação econômica americana em meio à crise da Covid-19, Trump projetou bons números para os próximos meses, ressaltando que os EUA são a maior economia do mundo e que, segundo ele, as medidas tomadas no combate à propagação do vírus “fecharam o país”.

“Possivelmente salvamos 2 milhões, 2,5 milhões de vidas. Agora, poderiam ter sido 1 milhão de vidas (…) Mas, se você pensar, hoje estamos em 105 mil, (…) e poderia ser dez vezes esse valor”, disse ele. “Se você olha para o Brasil, eles estão passando por um momento muito difícil.”

Em seguida, Trump citou a Suécia, país europeu cuja estratégia contra o coronavírus é alvo de polêmica por, diferentemente de seus vizinhos nórdicos, não ter adotado o “lockdown”, ainda que regras de distanciamento social tenham sido colocadas em prática.

Para o republicano, a Suécia, que contabiliza 4.562 mortes e quase 42 mil casos confirmados, está em um “momento terrível”. “Se fizéssemos isso, teríamos perdido 1 milhão, 1,5 milhão, talvez até 2 milhões e meio ou mais de vidas. No entanto, estamos em 105 mil.”

Os EUA registraram, até agora, 108.664 mortes e 1,8 milhão de infecções, números bem superiores aos do país europeu e do Brasil, que acumula 34 mil óbitos e quase 615 mil contaminações, de acordo com dados compilados pelo universidade Johns Hopkins.

O líder americano, no entanto, diz que as elevadas cifras de casos se devem à quantidade de testes realizada no país. Em números absolutos, os EUA são o país que mais testam no mundo, segundo o site Worldometer, com 19,9 milhões de exames.

Ainda que o republicano diga que “fechou o país”, Trump defendeu retomar a economia muito antes do recomendado por especialistas de saúde de seu próprio governo, entrando em choque com epidemiologistas e governadores de diversos estados, principalmente os liderados por democratas.

Antes de citar a Suécia, o presidente americano disse que o Brasil quis seguir o exemplo de Estocolmo. Em entrevista coletiva em meados de maio, em Brasília, Bolsonaro usou o país europeu como referência de nações que não fecharam, dando a entender que essa era uma estratégia positiva.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui