O presidente Jair Bolsonaro iniciou nos bastidores movimento para avaliar as chances de aprovação pelo Senado da indicação de seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para o posto de embaixador nos EUA.

Segundo a Folha, interlocutores do presidente têm feito sondagens junto a senadores que integram a Comissão de Relações Exteriores (CRE), responsável por autorizar a nomeação de um indicado pelo Poder Executivo à função diplomática.

Segundo assessores, Bolsonaro está determinado a oficializar a indicação, mas, em conversas reservadas, demonstrou incômodo com a possibilidade de rejeição, o que representaria uma derrota pessoal por se tratar de seu filho.

Os sinais iniciais emitidos pelos senadores preocupam. Um primeiro placar esboçado por emissários de Bolsonaro aponta que o parlamentar teria hoje o apoio de apenas 8 dos 17 integrantes da comissão.

A previsão de um placar apertado no colegiado já leva auxiliares presidenciais a considerarem fundamental uma ação reforçada junto ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Ainda conforme a Folha, mesmo que o governo sofra uma derrota na comissão, por exemplo, o cenário adverso pode ser revertido no plenário (basta maioria simples para aprovação).

Aliados de Alcolumbre afirmam que, embora não tenha não gostado da indicação, ele não pretende trabalhar contra o filho do presidente.

Ao participar de solenidade na Câmara dos Deputados nesta segunda-feira (15), Bolsonaro saiu em defesa de Eduardo, deputado federal pelo PSL-SP e reforçou que o indicará para o posto nos EUA.

“Por vezes, temos tomado decisões que não agradam a todos, como a possibilidade de indicar para a embaixada um filho meu, tão criticada pela mídia. Se está sendo tão criticado, é sinal de que é a pessoa adequada”, disse o presidente.

A posição do senador Marcos do Val (Cidadania-ES), que costuma ser alinhado à pauta governista surpreendeu o presidente. Logo após a notícia da intenção de indicar Eduardo, o parlamentar se manifestou contrário à ideia e é considerado um voto perdido.

Na CRE, o governo tem margem de manobra reduzida. Há apenas uma vaga não ocupada, que, em caso de emergência, poderia ser preenchida por um senador simpático a Bolsonaro. Há ainda pouca segurança de assessores palacianos sobre pelo menos três votos, entre eles o do senador Romário (Podemos-RJ).

As demonstrações de insatisfação no Senado começaram a se tornar públicas. “Foi talvez o maior erro do presidente até agora, até porque envolve o próprio filho, sem ter pelo menos tentado entender qual o sentimento hoje do Senado”, disse a presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Simone Tebet (MDB-MS).

“A sabatina [na CRE] expõe demais o governo e pode dar uma fragilidade que o governo ainda não tem na Casa”, acrescentou.

Na avaliação dela, que é suplente na comissão que vota a indicação, hoje o nome de Eduardo correria “sérios riscos” de não ser aprovado e o episódio “não tem precedentes em países democráticos”.

A indicação de Eduardo não é consenso nem mesmo no Planalto. Enquanto o chamado grupo ideológico é entusiasta do parlamentar, a cúpula militar é contrária. A avaliação é de que, ao favorecer o filho, Bolsonaro cria um desgaste desnecessário à imagem do governo e adota prática que identificada com a chamada “velha política”.

Devido à repercussão negativa, a orientação neste momento, nas palavras de um assessor palaciano, é “esperar a poeira baixar” antes de oficializar o nome de Eduardo.

“O presidente está ainda a avaliar a indicação de Eduardo Bolsonaro para o cargo”, disse o porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros. “Ele detém a total confiança do presidente e o acesso facilitado ao mandatário daquela nação amiga.”

O ministro da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, avaliou que o fato de Eduardo ser filho de Bolsonaro o credencia para a função.

“A representação diplomática é uma responsabilidade grande, mas ela se faz com uma credencial. E ele tem uma credencial junto ao pai, que é o presidente, o que é muito significativo”, disse. “O principal que eu vejo é o credenciamento que ele teria por ser, obviamente, o filho do presidente.”

O ministro elogiou o parlamentar, de quem já foi chefe de gabinete, e disse que ele não pode ser penalizado apenas por ser filho do presidente.

BNews

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui