Legislação também impõe que autoridades de segurança obedeçam às ordens de detenção passadas por autoridades federais. Texto segue para sanção do governador, considerado rigoroso contra a imigração clandestina.

O legislativo da Flórida, nos Estados Unidos, aprovou nesta quinta-feira (2) uma lei que proíbe as cidades santuário no estado – nome dado às cidades que se recusam a cooperar com a detenção de imigrantes irregulares.

Aprovada por 68 votos a 45, o texto foi enviado ao gabinete do governador republicano, Ron DeSantis, conhecido pelo rigor contra a imigração ilegal.

“Somos um estado mais forte quando protegemos nossos moradores, fomentamos comunidades mais seguras e respeitamos o trabalho dos agentes da lei”, disse DeSantis.

DeSantis ainda pediu que a polícia colabore com as autoridades migratórias na detenção dos imigrantes em situação irregular.

“A polícia local pode e deve trabalhar com o governo federal para garantir que a responsabilidade e a justiça sejam uma em nosso 

A nova lei também exige que as polícias locais e outras agências acatem e respondam às “ordens de detenção migratória” do governo federal. Geralmente, os policiais ignoravam os pedidos das autoridades para deter os imigrantes ilegais.

Segundo o jornal “Miami Herald”, só o Departamento de Famílias e Crianças estaria livre de relatar os casos irregulares.

A maior organização de defesa dos direitos humanos dos Estados Unidos, ACLU, emitiu um “alerta de viagens” para a Flórida, um ponto nevrálgico da imigração latino-americana e epicentro das diásporas de CubaVenezuela e Haiti.

Em torno de 20% da população da Flórida é composta por imigrantes, mas nas grandes cidades como Miami e Orlando este percentual chega a 50%.

Jorge Colina, chefe da polícia de Miami, disse em março à Actualidad Radio 1040 AM: “Prefiro não ter o trabalho de exigir dos oficiais que verifiquem a origem de uma pessoa antes de ajudá-la”.

Sob pressão de Trump

Logo após o presidente Donald Trump tomar posse, em janeiro de 2007, a prefeitura de Miami-Dade ordenou que as instituições penitenciárias acabassem com a reputação de cidade santuário para imigrantes em situação clandestina e não pôr em risco o envio de recursos federais à cidade.

Isso porque Trump assinou ordem para cortar fundos às cidades santuário. Entre elas, estão grandes centros urbanos norte-americanos como Nova York, Los Angeles e San Francisco.

À época, Trump, elogiou o prefeito de Miami-Dade: “O prefeito de Miami-Dade abandonou a política dos santuários. Boa decisão. Forte!”, escreveu Trump em seu Twitter.

G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui