Pais e responsáveis que estão à procura por brinquedos para presentear crianças e adolescentes nessas festas de fim de ano devem observar alguns cuidados para evitar que os produtos, de aparente aspecto inofensivo, causem complicações e acidentes.Cuidados na compra de brinquedos para crianças pode evitar acidentes, diz especialista 1

“Os materiais utilizados na fabricação dos brinquedos devem ser resistentes, não tóxicos e não inflamáveis. Os brinquedos também não podem ter pontas ou bordas afiadas, pistolas com projéteis, dardos, ou flechas para impedir que haja traumas e ferimentos de grande gravidade”, explica a pediatra Márcia Barreto – presidente do Departamento de Segurança da Sociedade Baiana de Pediatria (Sobape).

Segundo ele, as recomendações fazem parte de um programa nacional de conscientização feito pela Sociedade Brasileira de Pediatria. 

“Recomendamos evitar brinquedos pequenos que ofereçam riscos de engasgo e sufocação para crianças menores de três anos, período em que há risco maior de acidentes endoscópicos, que são aqueles causados pela ingestão de pequenos objetos”, salienta.

Ela adverte que crianças de até cinco anos não devem receber brinquedos com partes em vidro. No caso de brinquedos elétricos, que podem ser ligados à tomada, a pediatra explica que eles não devem ser utilizados por crianças menores de oito anos pelo risco de queimaduras. Alguns itens contêm elementos que são tóxicos e podem provocar danos muito fortes no aparelho digestivo.

Os pais precisam ainda descartar brinquedos com correntes, cordas e tiras com mais de 15 centímetros, uma vez que apresentam perigo de sufocação e estrangulamento.

“É importante que a gente não deixe a criança dormir com brinquedos dentro do berço pois há o risco de se machucar ou sufocar durante a noite”, pontua a especialista Márcia Barreto.

Para crianças maiores, que brincam com patins, skate e bicicleta, é indispensável o uso de equipamentos de proteção, como capacete, joelheira, luva, cotoveleira e buzina.

INMETRO – A pediatra da Sobape alerta que os consumidores evitem produtos falsificados e verifiquem se o item tem o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o que significa que ele passou por testes de segurança e qualidade. Na embalagem do produto, também devem observadas a indicação etária e as datas de fabricação e validade.

Denúncias sobre itens falsificados ou contrabandeados podem ser informadas à ouvidoria do Inmetro pelo telefone 0800 285 1818.

BNews

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui