Franceses decidem neste domingo se extrema direita chegará ao poder, em 2º turno de eleições legislativas

0

Partido de extrema direita Reunião Nacional (RN), de Marine Le Pen, ficou em primeiro lugar no 1º turno do pleito, há uma semana. Pesquisas apontam que sigla ainda é favorita, mas aliança de centro, de Macron, e esquerda encostam e têm maioria caso se aliem. Iniciais do Reunião Nacional, partido de extrema direita da França, em vitrine de loja de rua em Nantes, no oeste da França, em 5 de julho de 2024.
Violeta Santos Moura/ Reuters
A França volta às urnas neste domingo (7) para referendar ou rejeitar que a extrema direita chegue ao poder pela primeira vez desde a ocupação nazista na Segunda Guerra Mundial.
O desafio, nesta rodada final das eleições legislativas antecipadas do país, é impedir que o Reunião Nacional (RN) alcance a maioria absoluta — ou seja, o número mínimo de 289 assentos no Parlamento exigidos para que um partido forme governo — e, assim, indique o novo primeiro-ministro francês.
✅ Clique aqui para seguir o canal de notícias internacionais do g1 no WhatsApp
No primeiro turno, no último domingo (30), o Reunião Nacional, partido de extrema direita de Marine Le Pen, conquistou a maioria dos votos: 33% deles. A Nova Frente Popular, um grande bloco de partidos de esquerda, ficou em segundo lugar, com 28% dos votos, e o bloco centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, terminou em terceiro lugar, com 20% dos votos.
Embora o RN tenha mantido o favoritismo nas pesquisas de intenção de voto feitas ao longo desta semana, o cenário agora é também que o do primeiro turno: sob a sombra da vitória esmagadora da centro-esquerda no país vizinho, o Reino Unido na quinta-feira (4), a extrema direita também terá de enfrentar uma possível aliança entre o centro, do presidente Emmanuel Macron, e o grande bloco dos partidos de esquerda.
Na semana passada, após os resultados, Macron pediu uma aliança com a esquerda para tentar barrar o RN. Embora ainda não tenham batido o martelo sobre a união, líderes do bloco esquerdista indicaram que poderiam se aliar ao centro com esse objetivo —apesar das pautas distantes e até opostas em muitas questões de ambos. Esse arranjo é chamado na França de “grande cordão sanitário” contra a extrema direita.
Por que tantas mulheres estão apoiando a direita radical na França
Vitória da extrema direita, sucesso da aliança centro-esquerda ou impasse? Veja os cenários possíveis
Mais de 200 candidatos centristas e de esquerda desistiram das disputas para aumentar as chances de seus rivais moderados e tentar impedir que candidatos da extrema direita vencessem.
A campanha teve a participação de celebridades, como o ex-jogador Raí e Mbappé, craque da seleção francesa e do Real Madrid, que se manifestaram durante a semana contra a extrema direita.
De acordo com as principais pesquisas de intenção de voto divulgadas nesta semana, o número de assentos do bloco da esquerda e do centro seria suficiente para garantir uma maioria absoluta, de 289 cadeiras no Parlamento francês, e, assim, indicar um primeiro-ministro.
Mas há incertezas em relação à participação dos eleitores.
Essa possibilidade pode impedir que Macron tenha de governar em uma situação no mínimo desconfortável: ao lado de um premiê opositor.
Pelo sistema político da França, semipresidencialista, o primeiro-ministro, indicado pelo partido ou coalizão que conquistam maioria no Parlamento, governa em conjunto com o presidente — este eleito em eleições presidenciais diretas e separadas das legislativas e que, na prática, é quem ganha mais protagonismo à frente do governo.
No cenário de os dois serem de lados opostos, forma-se o chamado governo de coabitação. Nesse modelo, o presidente mantém o papel de chefe de Estado e da política externa — a Constituição diz que ele negocia também tratados internacionais—, mas perderia o poder de definir a política doméstica e de nomear ministros, o que ficaria a cargo do primeiro-ministro.
Isso aconteceu pela última vez em 1997, quando o presidente de centro-direita, Jacques Chirac, dissolveu o Parlamento pensando que ganharia uma maioria mais forte, mas, inesperadamente, perdeu o controle da Casa para uma coalizão de esquerda liderada pelo partido socialista.
Caso a extrema direita ganhe, Macron teria de nomear um adversário, o jovem líder do RN, Jordan Bardella, de 28 anos, para o cargo de primeiro-ministro — se optar por não fazê-lo, ele pode ser alvo de uma Moção de Censura, um recurso do Legislativo no qual deputados votam se querem mantê-lo ou não no cargo.
As eleições legislativas da França foram convocadas antecipadamente no início de junho pelo presidente francês. Diante do resultado ruim de seu partido e do avanço da extrema direita nas eleições para o Parlamento europeu — o Legislativo de todos os países da União Europeia, com sede em Bruxelas –, Macron tomou a arriscada e surpreendente decisão de dissolver o Legislativo francês e marcar uma nova votação.
Com as eleições em tempo recorde, os candidatos tiveram também apenas três semanas de campanha, marcadas pelo discurso de ódio. O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, disse que o seu ministério registou 51 ataques verbais e físicos contra candidatos.
Darmanin disse que 30 mil policiais serão destacados no domingo, incluindo 5 mil na região de Paris, para garantir que os resultados das eleições “sejam respeitados, sejam eles quais forem”. Ele disse que as reuniões fora da Assembleia Nacional, a câmara baixa do parlamento, foram proibidas.
Como funcionam as eleições parlamentares francesas
França pode ter governo de ‘coabitação’: entenda
Trajetória da extrema direita na França
França encerra campanha para segundo turno das eleições legislativas
Desde que foi fundado, em 1972, e por mais de três décadas, o partido francês de extrema direita Frente Nacional foi um nanico. Teve de esperar 14 anos para conseguir chegar ao Parlamento francês e chegou a emplacar um candidato no segundo turno das eleições presidenciais —seu fundador, Jean-Marie Le Pen.
Ainda assim, a extrema direita na França continuou à margem da política e vista como pária. As coisas só começaram a mudar junto da chegada de um novo nome no partido, que em 2018 passou a se chamar Reunião Nacional — já sob comando de sua atual secretária-geral, Marine Le Pen. Filha do fundador, ela assumiu após o pai ser expulso da própria sigla, por conta de discursos antissemitas, e foi moderando o discurso para ampliar o espectro de seu eleitorado.
Mas foi só com a geração das redes sociais que a sigla conseguiu dar um salto e se tornar o partido favorito para governar o país — o RN ficou em primeiro lugar no primeiro turno das eleições legislativas na França, realizado no domingo (30). O segundo turno acontece em 7 de julho.
O atual candidato da sigla para ser o primeiro-ministro, Jordan Bardella, é uma das chaves do bom momento do partido: com apenas 28 anos e discurso mais duro que o de Marine Le Pen. Bardella é conhecido por sua desenvoltura e forte apelo nas redes sociais — no TikTok, tem 1,8 milhão de seguidores, e alguns de seus vídeos chegam a ter quase 5 milhões de visualizações.
‘Mounsieur selfie’: quem é Jordan Bardella, o rosto da extrema direita que pode se tornar o premiê mais jovem da França
Bardella: mais radical
Veja a linha do tempo da ascensão da extrema direita na França.
Equipe de arte/g1
Embora a moderação de Marine Le Pen em comparação a seu pai tenha ajudado a tornar o partido mais popular, o discurso de Bardella não segue esse roteiro. O jovem político é mais radical que sua tutora em uma série de pautas da extrema direita, principalmente a imigração.
Nos últimos anos, Marine Le Pen vem deixando para trás pautas polêmicas que ela mesma defendia no início de sua carreira política, como posturas xenófobas, proximidade com o governo russo e discurso favorável à saída da França da União Europeia.
Le Pen abandonou também posturas racistas e antissemitas de seu pai, mas manteve pautas anti-imigração. Ela já sugeriu a retirada do apoio da França à Ucrânia na guerra e o abandono a políticas para amenizar o impacto do carbono, com mais incentivos a indústrias francesas.
Essa moderação do discurso foi uma tática adotada por Le Pen principalmente depois de perder as eleições para o então novato Emmanuel Macron, em 2017, com uma forte rejeição no segundo turno — repetindo o que aconteceu com seu pai, que em 2002 foi esmagado por Jacques Chirac no segundo turno das eleições presidenciais.
Além de tentar romper com a trajetória do seu pai, Marine Le Pen também investiu em outra estratégia: a profissionalização dos políticos de seu partido com treinamentos de mídia e assessores especializados em redes sociais.
Dessa estratégia surgiu o nome de Bardella, que com apenas 26 anos foi nomeado presidente do partido.
Bardella também busca marcar distância das ideias de Jean-Marie Le Pen. Mas não economiza nos discursos anti-imigração e também de negação do aquecimento global. Já acusou os migrantes de fazer a França desaparecer e disse que é preciso contê-los, caso contrário “a nossa civilização morrerá”.
Na última composição do Parlamento francês, dissolvido no início de julho por Emmanuel Macron, o RN tinha 88 dos 577 deputados da Casa. É preciso aos menos 289 assentos para garantir a maioria absoluta.
LEIA TAMBÉM:
Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França e convocar novas eleições?
Por que aposta eleitoral de Macron pode abalar a democracia na França
União da esquerda pode prejudicar Macron e dar vitória à direita radical nas eleições na França
Eleições
Como funcionam as eleições legislativas na França
Governo de coabitação
Eleições legislativas da França têm extrema direita à frente, seguida pela esquerda e coalizão de centro de Macron em terceiro
Caso o presidente e o primeiro-ministro sejam de partidos políticos diferentes, a França entrará em um chamado governo de “coabitação”, o que ocorreu apenas três vezes na história do país europeu e que pode paralisar o governo de Macron.
Isso porque, neste caso, o premiê assume as funções de comandar o governo internamente, propondo, por exemplo, quem serão os ministros.
O primeiro-ministro atual, Gabriel Attal, é aliado de Macron, mas, se as pesquisas se concretizarem, quem deve assumir o cargo é Jordan Bardella. Após o fechamento das urnas, Bardella disse que a votação do segundo turno, na semana que vem, será o “momento mais importante da história da Quinta República da França”.
O pleito foi convocado antecipadamente no início de junho pelo presidente francês. Diante do resultado ruim de seu partido e do avanço da extrema direita nas eleições para o Parlamento europeu — o Legislativo de todos os países da União Europeia, com sede em Bruxelas –, Macron tomou a arriscada e surpreendente decisão de dissolver o Legislativo francês e marcar uma nova votação.
As eleições parlamentares são realizadas em dois turnos — o primeiro foi neste domingo, e o outro será em 7 de julho.
O presidente francês, Emmanuel Macron, sai de cabine de votação durante eleições legislativas na França, em 30 de junho de 2024.
Yara Nardi/ Reuters
Eleições na França
Yves Herman/Reuters
A líder do RN, partido da extrema direita, Marine Le Pen, vota em Hénin-Beaumont, no norte da França, em 30 de junho de 2024.
Yves Herman/ Reuters
Parlamento francês
Martin Bureau/AFP
p e convocar um novo pleitop.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *