Vídeo mostra tubarões perto da areia em Fernando de Noronha; ‘é algo extremamente raro no resto das praias do Brasil’, diz bióloga

0

Imagens feitas por um guia foram publicadas na internet. Pesquisa da ONG Sea Shepherd Brasil sobre tubarões mostra que 98% dos turistas consideram ilha segura. Tubarões são vistos perto da areia em praia de Fernando de Noronha
Imagens publicadas nas redes sociais mostram tubarões perto da areia na Praia da Conceição, em Fernando de Noronha (veja vídeo acima). O registro feito pelo guia Felipe Rogério Silva no dia 31 de janeiro foi analisado pela bióloga Bianca Rangel, que é pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) e integrante da ONG Sea Shepherd Brasil.
“Essa cena de vários tubarões no raso, que é muito comum em Noronha, infelizmente é algo extremamente raro no resto das praias do Brasil. É um privilégio estar numa praia, no pôr do sol e ainda presenciar os tubarões se alimentando perto da areia. Mas não é preciso entrar na água”, disse a especialista.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Bianca Rangel fez um comparativo com a situação na Região Metropolitana do Recife, onde ocorreram três ataques de tubarão em menos de um mês, sendo dois deles em 24 horas.
“Na Região Metropolitana do Recife, temos os incidentes com mais frequência porque lá existem vários problemas ambientais complexos, como o ambiente degradado. No entanto, em Fernando de Noronha, o ambiente é bem mais preservado, e os tubarões acham alimento com facilidade”, disse.
Tubarões vistos perto da areia da Praia de Conceição, em Noronha, no dia 31 de janeiro de 2023
Felipe Rogério Silva/Divulgação
Segundo a bióloga, os tubarões que aparecem nas imagens gravadas na ilha não são da mesma espécie dos que morderam o surfista em Olinda e dois adolescentes em Jaboatão dos Guararapes.
“No vídeo de Noronha, são tubarões-limão (Negaprion brevirostris), enquanto as espécies envolvidas nos incidentes no Recife são o tubarão-touro (Carcharhinus leucas) e o tubarão-tigre (Galeocerdo cuvier)”, explicou Bianca Rangel.
LEIA TAMBÉM:
Por que ataques de tubarão são mais comuns em praias de PE?
Vídeo de animal em onda em área de ataques de tubarão viraliza
A pesquisadora também declarou que são espécies com comportamentos diferentes. Os tubarões-touro e os tubarões-tigre são mais generalistas (se alimentam de diversos animais diferentes), de maior porte.
Pesquisa
Tubarão perto de banhista na Praia da Conceição, em Fernando de Noronha, em 31 de janeiro de 2023
Felipe Rogério Silva/Divulgação
Uma pesquisa realizada em Fernando de Noronha pela ONG Sea Shepherd Brasil indicou que 98% dos turistas consideram seguro visitar o arquipélago e não temem incidentes com tubarões. O levantamento também apontou que:
75% dos visitantes entrevistados “concordam que mergulhar com tubarões é fascinante”;
87% dos brasileiros (turistas e brasileiros) são a favor de tornar Fernando de Noronha um santuário para tubarões;
para 93% dos turistas, o abate de tubarão não é uma alternativa viável para aumentar a segurança.
Bianca Rangel, que também é coordenadora do projeto Tubarões e Raias de Noronha, analisou o resultado da pesquisa.
“Ficou claro que a maioria das pessoas, seja turista ou residente, não veem os tubarões como vilões, como uma ameaça. Isso é um ótimo sinal, porque realmente eles não são. Precisamos incentivar a contemplação e o ecoturismo de tubarões. Temos algo muito precioso em Noronha, que já não existe mais em nenhum lugar do Brasil”, afirmou a pesquisadora.
A pesquisa foi feita entre os meses de maio a julho de 2022. Foram realizadas 873 entrevistas com pessoas de todas as regiões do Brasil. Já́ entre agosto e setembro, o questionário foi respondido por 203 visitantes e 101 residentes de Fernando de Noronha.
VÍDEOS: mais vistos de Pernambuco nos últimos 7 dias
“É um privilégio estar numa praia, no pôr do sol e ainda presenciar os tubarões se alimentando próxim na beira da praia, sem nem precisar entrar na água. Essa cena de vários tubarões no raso, que é muito comum em Noronha, infelizmente é algo extremamente raro no resto das praias do Brasil”, analisou Bianca Rangel.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *